Bem vindos a Paraty

Vamos aproveitar esta oportunidade para simular uma visita a Paraty. Aqui estão algumas praias e ilhas de nossa baía por onde fazemos ótimos passeios. Veja as maravilhas que temos para desfrutar aqui, sem contar nas dezenas de cachoeiras e o Centro Histórico com casarões antigos e suas ruas cobertas de pedras desde a época dos escravos.
Agora não perca mais tempo e faça uma reserva em Paraty, temos as melhores opções de hospedagens para você.


Nascer do Sol

Nascer do Sol

Lagoa azul

Lagoa azul
Lagoa azul

Ilha do Mantimento

Ilha do Mantimento
Ilha do Mantimento

Cumprida Norte

Cumprida Norte
Cumprida Norte

Ilha Cumprida

RPM

RPM

Ilha da Pescaria

Ilha da Pescaria
Ilha da Pescaria

Salvador Moreira (área de nudismo)

Praia da Lula

Praia da Lula
Praia da Lula

Cachoeira do Tobogã

Cachoeira do Tobogã
Cachoeira do Tobogã

Cachoeira da Pedra Branca

Cachoeira da Pedra Branca
Cachoeira da Pedra Branca

Passeios Noturnos

Passeios Noturnos
Passeios Noturnos

Ilha da Cotia

Ilha da Cotia
Ilha da Cotia

Praia do Rosa

Praia do Rosa
Praia do Rosa

Ilha da Sapeca

Ilha da Sapeca
Ilha da Sapeca

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Dilma confirma presença na Flip



  De acordo com o registro em diversas mídias, a assessoria da presidência da República confirmou ao presidente da Fundação Biblioteca Nacional, Galeno Amorim, que Dilma irá à abertura da Festa Literária Internacional de Paraty, no dia 6 de julho. Com isso, ela pode se tornar a primeira presidente do Brasil a participar da Festa Internacional de Literatura durante o mandato. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso participou da conferência de abertura na Flip 2010.









sexta-feira, 24 de junho de 2011

Programação FLIP 2011 - Festa Literária Internacional de Paraty

Quarta-feira, 06 de Julho


19h - Conferência de Abertura

Oswald de Andrade: devoração e mobilidade



Antonio Candido

Debatedor: José Miguel Wisnik





Na mesa de abertura da Flip 2011, o maior ensaísta e crítico literário do país, Antonio Candido, discorre sobre a obra e a personalidade intelectual e artística do escritor com o qual manteve intenso diálogo literário e pessoal. A seu lado, o professor de literatura, escritor e compositor José Miguel Wisnik dá sua visão da potência utópica da Antropofagia de Oswald de Andrade.







21h30 - Show de abertura

Zé & Celso + Elza

Com José Miguel Wisnik, Celso Sim e Elza Soares



Quinta-feira, 07 de Julho

12h - Mesa 1

Lírica crítica



Carol Ann Duffy

Paulo Henriques Britto



Encontro de dois grandes poetas. Carol Ann Duffy, primeira mulher a ser indicada como “Poeta Laureado” do Reino Unido, aborda a sexualidade e a violência com intensidade subjetiva e rigor formal. Paulo Henriques Britto é um artífice do verso cujos exercícios de estilo dialogam com a poesia de língua inglesa (da qual é um de nossos maiores tradutores) para criar uma linguagem precisa e um lirismo com olhar crítico.







15h - Mesa 2

Marco zero modernista



Gonzalo Aguilar

Marcia Camargos



Mais moderno dentre os modernos da Semana de 22, precursor da poesia concreta e da Tropicália, Oswald de Andrade sintonizou as elites da Belle Époque brasileira com o espírito futurista e as contradições político-estéticas que eclodiram com a urbanização do país. Pesquisadores de nossa modernidade histórica e literária mostram as múltiplas facetas do poeta nativista que escreveu painéis romanescos e romances cubistas.







17h15 - Mesa 3

Ficções da diáspora



Kamila Shamsie

Caryl Phillips



Dois autores não ingleses de língua inglesa renovam a narrativa a partir da diáspora colonial e reafirmam uma tradição que vai além das fronteiras geográficas, incorporando choques culturais. Com a paquistanesa Kamila Shamsie, os traumas do século XX deságuam nos conflitos pós-11 de setembro; e, com o caribenho Caryl Phillips, diferentes gerações se encadeiam pela identidade racial.







19h30 - Mesa 4

O humano além do humano



Miguel Nicolelis

Luiz Felipe Pondé



O projeto iluminista de manipulação da natureza encontrou nas neurociências seu ponto culminante e, em Miguel Nicolelis, um de seus cientistas mais brilhantes. Mas as utopias modernas de emancipação do sujeito não cancelam nossas angústias, nossa precariedade essencial, costuma lembrar o filósofo Luiz Felipe Pondé. O confronto desses pontos de vista revela os dilemas éticos para os quais confluem ciência e filosofia.











Sexta-feira, 08 de Julho

10h - Mesa 5

Viagens literárias



Andrés Neuman

Michael Sledge



Em literatura, o contemporâneo sempre dialoga com a tradição e o passado sempre reverbera no presente. Em O viajante do século, o argentino Neuman mergulha em tertúlias do século XIX para identificar tensões que se prolongam em nosso milênio. E em The more I owe you, o norte-americano Sledge refaz, com sensibilidade contemporânea, o amor entre a urbanista brasileira Lota de Macedo Soares e a poeta Elizabeth Bishop.







12h - Mesa 6

Pontos de fuga



Pola Oloixarac

valter hugo mãe



Toda ficção elege um ponto de vista que se comunica de modo oblíquo com o mundo objetivo. A ficção moderna, porém, explicitou o caráter parcial desse olhar, “desrealizando” o próprio real pela paródia e pela alegoria. Irônica é a maneira como Oloixarac relê o cerebralismo da literatura argentina; e alegórico é o modo como valter hugo mãe recria universos arcaicos que sobrevivem à exaustão da realidade.







15h - Mesa 7

Laços de família



Péter Esterházy

Emmanuel Carrère



Com o húngaro Péter Esterházy e com o francês Emmanuel Carrère, as memórias familiares e as vivências pessoais derivam em narrativas que transcendem o registro confessional, diluem as etiquetas da “prosa autobiográfica” ou da “autoficção”, e convivem com realizações estritamente ficcionais, mostrando a inesgotável capacidade de renovação da linguagem romanesca.







17h15 - Mesa 8

Noturno italiano



Antonio Tabucchi

Em conversa com Ignacio de Loyola Brandão



O italiano Antonio Tabucchi é indissociável da cultura de língua portuguesa. Tradutor de Fernando Pessoa e Carlos Drummond de Andrade, várias de suas obras são ambientadas em Portugal – como Afirma Pereira e os contos de Mulher de Porto Pim (fruto de sua experiência nos Açores). Tabucchi conversa sobre sua dupla identidade literária com o escritor Ignácio de Loyola Brandão, de quem traduziu o romance Zero, em 1970.







19h30 - Mesa 9

A ética da representação



Claude Lanzmann



Em mais de nove horas com testemunhos de sobreviventes judeus dos campos de extermínio nazistas, o documentário Shoah, de Claude Lanzmann, problematizou a ética da representação do horror ao dar voz às vítimas da catástrofe. Por trás disso está o pensamento do diretor e intelectual francês, que lança na Flip o livro A lebre da Patagônia, em que relembra suas relações com Simone de Beauvoir e Jean-Paul Sartre.







Sábado, 09 de Julho

10h - Mesa 10

No calor da hora



Enrique Krauze

John Freeman



John Freeman, editor da revista britânica Granta, e Enrique Krauze, criador das revistas mexicanas Vuelta (com o poeta e Nobel de Literatura Octavio Paz) e Letras Libres, falam do desafio de fazer a crítica do presente – que, no caso de Krauze, inclui também o mapeamento dos messianismos políticos da América Latina, tema do livro Redentores (que o historiador mexicano lança na Flip).







12h - Mesa 11

A história em HQ



Joe Sacco



A obra de Joe Sacco representa uma das formas mais ousadas de captar o fluxo dos acontecimentos da atualidade: a história em quadrinhos. Com rigor jornalístico e sensibilidade para os sofrimentos do homem concreto, Sacco transpôs suas experiências em regiões conflagradas como os Bálcãs e a Palestina para a linguagem das graphic novels, dando corpo e rosto aos flagelos da política contemporânea.









15h - Mesa 12

Ficção entre escombros



Marcelo Ferroni

Edney Silvestre

Teixeira Coelho



Três escritores brasileiros que representam as fraturas sociais através de dramas individuais. Teixeira Coelho flagra momentos traumáticos do século XX e subjetividades dilaceradas. Ferroni, em seu romance de estreia, introduz nos momentos finais de Che Guevara a patética imponderabilidade do acaso. E Edney Silvestre comenta seu novo livro, um romance ambientado na era Collor.







17h15 - Mesa 13

Alegorias da ilha Brasil



João Ubaldo Ribeiro



Fazendo de sua ilha natal um microcosmo tão grande quanto o mundo, o escritor baiano sintetiza as linhas de força do romance brasileiro: um regionalismo que transcende o momento histórico, alegorias que violam fronteiras de tempo e espaço para apreender as mais candentes questões contemporâneas. Na Flip que homenageia a antropofagia de Oswald de Andrade, Ubaldo fala de uma obra que também reinventou o Brasil.







19h30 - Mesa 14

Lugares escuros



James Ellroy



Autor de livros que deram origem aos filmes Dália negra e Los Angeles, cidade proibida, Ellroy renovou o romance policial com uma linguagem que recria o jargão do submundo e aprofunda os temas da ficção noir. Crime e corrupção se mesclam a obsessões sexuais e violência racial numa visão crua dos EUA, além de incorporarem os fantasmas do próprio escritor, descritos em seus livros autobiográficos.







Domingo, 10 de Julho

10h - Mesa 15

Pensamento canibal



Eduardo Sterzi

Joao Cezar de Castro Rocha



“Só a antropofagia nos une”, afirma o Manifesto antropófago. O que Oswald de Andrade quis dizer? Que nossa “identidade nacional” consiste em devorar influências externas? Ou que a antropofagia constitui a dinâmica moderna de canibalizações da tradição? A antropofagia define o Brasil ou uma sensibilidade mais geral? São essas algumas questões abordadas por dois estudiosos da obra do autor homenageado da Flip.







11h45 - Mesa 16

Tour dos trópicos



David Byrne



Um dos grandes nomes do universo pop, o compositor e cantor britânico fala de sua obra (que inclui desde o período em que liderou a banda Talking Heads até seu trabalho com cinema e fotografia), de seu diálogo com artistas da Tropicália e expõe seus projetos sobre urbanismo sustentável e transporte público discutidas no livro Diário de bicicleta.







14h30 - Mesa 17

Em nome do pai



Laura Restrepo

Héctor Abad



Um dos temas recorrentes na literatura latino-americana são as cicatrizes dos regimes ditatoriais. No caso da Colômbia, a chaga se reabre no contexto atual da guerra ao narcotráfico e da eclosão de forças paramilitares. Dois dos maiores escritores colombianos falam dos romances em que descrevem o permanente estado de exceção de seu país, com impactos sobre suas vidas pessoais e conexões com outras regiões do continente.







16h - Mesa 18

Macumba Antropófaga com leituras de livros de cabeceira



Teatro Oficina Uzyna Uzona



A última mesa da Flip 2011, tradicionalmente intitulada Livro de Cabeceira, será incorporada ao espetáculo Macumba antropófaga, do Teatro Oficina Uzyna Uzona. Será excepcionalmente realizada na tenda do telão.

Em um rito antropofágico, José Celso Martinez Corrêa e outros 22 atores interpretam o manifesto de Oswald de Andrade. Alguns autores da Flip serão convidados, na primeira metade do espetáculo, a ler trechos de seus livros preferidos.



Evento excepcionalmente realizado na Tenda do Telão - Não recomendado para menores de 18 anos - Cenas de nudez - Consumo de bebida alcoólica







FLIP 2011 - Autores Convidados


  Andrés NeumanAndrés Neuman nasceu em 1977, em Buenos Aires, e foi um dos vinte autores incluídos na edição especial da revista Granta sobre os “Melhores Jovens Romancistas de Língua Espanhola”, em 2010. O escritor chileno Roberto Bolaño definiu o escritor como “um talento iluminado”. Seu primeiro romance a ser lançado no Brasil, O viajante do século, foi selecionado pelos jornais El País e El Mundo como um dos cinco melhores em língua espanhola de 2009. Nele, Neuman discute questões políticas, sociais e literárias do século XIX de forma inusitada: por intermédio do olhar de um observador do século XXI.


   Antonio CandidoAntonio Candido nasceu em 1918, no Rio de Janeiro. Considerado o maior intelectual brasileiro, estabeleceu novos paradigmas para a crítica literária com sua atuação na revista Clima, nos anos 1940, e com o clássico Formação da literatura brasileira (1959). Sua extensa obra inclui livros como Tese e antítese, Literatura e sociedade e O discurso e a cidade, entre muitos outros. É professor emérito da Universidade de São Paulo (USP), onde lecionou teoria literária e literatura comparada, e da Universidade Estadual Paulista (Unesp), além de doutor honoris causa pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), onde fundou o Instituto de Estudos da Linguagem. Membro fundador do Partido dos Trabalhadores, recebeu o prêmio Camões em 1998.

  Antonio TabucchiAntonio Tabucchi nasceu em 1943, em Vecchiano, província de Pisa, na Itália. É um dos maiores escritores contemporâneos, autor de livros como Noturno indiano (1984, prêmio Médicis Étranger), Requiem (1992) e Afirma Pereira (1994, prêmio Campiello) – este último, adaptado para o cinema por Roberto Faenza, numa das últimas atuações do ator Marcello Mastroianni. Com livros vertidos para mais de quarenta idiomas, o ensaísta e crítico mantém íntima relação com o universo da língua portuguesa, tendo traduzido Fernando Pessoa e Carlos Drummond de Andrade para o italiano.

  Carol Ann DuffyCarol Ann Duffy nasceu em 1955, na Escócia. É poeta, dramaturga e um dos nomes de maior projeção da língua inglesa. Reside atualmente na Inglaterra, onde é professora de poesia contemporânea e diretora de Escrita Criativa na Universidade Metropolitana de Manchester. Seus poemas, de grande variedade formal e modulação subjetiva, tratam de questões como opressão, sexo e violência. Em 2009, tornou-se a primeira mulher laureada pela rainha do Reino Unido, assumindo a missão de escrever poemas para celebrar ocasiões de Estado e eventos envolvendo a família real, como aniversários e mortes.

  Caryl PhillipsCaryl Phillips nasceu em 1958, no estado caribenho de São Cristóvão, e foi criado na Inglaterra. Hoje vive nos Estados Unidos e leciona na Universidade de Yale. Autor de três livros de não ficção e de sete romances, é um premiado e versátil escritor, que já produziu textos para televisão, rádio e teatro. Dançando no escuro e Uma margem distante são dois de seus romances já publicados no Brasil – este último ganhador do Commonwealth Writers Prize (2004), um dos mais importantes prêmios literários da língua inglesa. Vem à Flip para lançar A travessia do rio.

  Claude LanzmannO escritor e cineasta francês Claude Lanzmann nasceu em 1925 e ficou conhecido mundialmente pelo filme Shoah, de 1985: documentário com mais de nove horas de duração com entrevistas com sobreviventes e agentes dos campos de extermínio nazistas. Vem à Flip para o lançamento do livro de memórias A lebre da Patagônia, no qual conta sobre seu papel na resistência à ocupação alemã na França, os bastidores de Shoah, sua vida amorosa com Simone de Beauvoir e a participação na revista Les Temps Moderne.

  David ByrneDavid Byrne nasceu em Dumbarton, Escócia, em 1952. É músico, compositor e produtor musical. Ficou famoso por ter fundado a banda Talking Heads, em 1974. O músico também compôs a trilha sonora do filme O Último Imperador (1987), de Bernardo Bertolucci, pelo qual ganhou um Oscar e um Golden Globe de melhor trilha sonora. Produziu diversos álbuns de música caribenha e brasileira (incluindo o trabalho com Tom Zé e Margareth Menezes) e um vídeo documentário sobre o candomblé chamado The House of Life (1989). David Byrne também é escritor - seu último livro publicado no Brasil foi Diários de Bicicleta (2009).

  Edney SilvestreEdney Silvestre nasceu em Valença (RJ), em 1950. Jornalista e apresentador do programa Espaço Aberto – Literatura, da Globo News, estreou na literatura com Se eu fechar os olhos agora (2010), ganhador do prêmio Jabuti de Melhor Romance e do prêmio São Paulo de Literatura na categoria Autor Estreante. Situado às vésperas do golpe de 1964, o livro narra a história de dois garotos que encontram o corpo dilacerado de uma mulher e descobrem, simultaneamente, a sexualidade e as perversões da história brasileira. Silvestre apresenta na Flip trechos de seu novo romance, A felicidade é fácil.

  Eduardo SterziEduardo Sterzi nasceu em Porto Alegre, em 1973, e vive em São Paulo desde 2001. É jornalista, poeta e doutor em teoria e história da literatura, com tese sobre Dante Alighieri e a origem da lírica moderna. É autor dos volumes de poesia Prosa (2001) e Aleijão (2009), do livro Por que ler Dante (2008) e do ensaio A prova dos nove – Alguma poesia moderna e a tarefa da alegria (2008) – em que estabelece relações entre o conceito de comédia em Dante e a lírica modernista brasileira (em especial Oswald de Andrade, autor homenageado da Flip). Organizou a coletânea Do céu do futuro: cinco ensaios sobre Augusto de Campos (2006).

  Emmanuel CarrèreEmmanuel Carrère nasceu em Paris, em 1957. Formado no Institut d’Études Politiques, é escritor, roteirista e diretor. Várias de suas obras foram adaptadas para o cinema, e a versão de O bigode (2002) foi dirigida pelo próprio autor. Entre os livros de Carrère publicados no Brasil estão O adversário (2007), Um romance russo (2008) e Outras vidas que não a minha (2010) – que partem de episódios reais (da vida pública, de sua história familiar e de sua vivência pessoal) para compor romances que estendem os limites de um gênero normalmente associado à pura ficção.

  Enrique KrauzeEnrique Krauze nasceu na Cidade do México, em 1947. É jornalista, historiador e ensaísta. De 1991 a 1996, foi editor da revista literária Vuelta, criada em parceria com o poeta Octavio Paz, e atualmente dirige a revista Letras Libres. Entre seus diversos livros estão Caudillos culturales en la Revolución Mexicana (1976), Biografía del poder (1987), Caras de la historia (1983), Por una democracia sin adjetivos (1986), Textos heréticos (1992), Tiempo contado (1996) e Tarea política (2000). Autor de documentários e séries de televisão sobre a história do México, Krauze lança na Flip o livro Redentores, sobre o populismo messiânico da América Latina.

  Gonzalo AguilarGonzalo Aguilar nasceu em Buenos Aires, em 1964. É crítico e professor titular de literatura brasileira na Universidade de Buenos Aires. É autor de um dos estudos mais importantes já publicados no Brasil sobre poesia visual, Poesia concreta brasileira (2005), resultado de sua tese de doutorado. Lançou recentemente o livro Por una ciencia del vestigio errático (Ensayos sobre la antropofagia de Oswald de Andrade) (2010), que discute a obra do autor modernista, homenageado da 9a Flip.

  Héctor AbadHéctor Abad é um premiado escritor, tradutor e jornalista colombiano, nascido em Medellín, em 1958. Seu primeiro livro publicado no Brasil, A ausência que seremos, conquistou o prêmio Casa da América Latina em Portugal em 2010. É um relato sobre a vida do pai do escritor, o médico Héctor Abad Gómez, que combatia a miséria, defendia a medicina preventiva e foi assassinado por paramilitares em 1987. Em tom memorialístico, o livro traça o panorama de uma época e cria o elo entre pai e filho, entre passado e futuro.

  James EllroyJames Ellroy nasceu em 1948, na Califórnia. Após o assassinato da mãe, em 1958, apaixonou-se pelo gênero policial e pela vida boêmia. Publicou seu primeiro livro em 1981. Desde então, produziu cerca de vinte obras, tornando-se um clássico do romance noir, ao lado de Dashiell Hammett, Raymond Chandler, James M. Cain e Joseph Wambaugh. Na autobiografia Meus lugares escuros, detalha suas experiências com drogas e a tentativa de solucionar a morte da mãe. Na Flip, Ellroy lançará Sangue errante.

  João Cezar de Castro RochaJoão Cezar de Castro Rocha nasceu no Rio de Janeiro em 1965. É professor de literatura comparada na Uerj, autor de Literatura e cordialidade – O público e o privado na cultura brasileira (1998) e Exercícios críticos (2008). Coautor, com René Girard e Pierpaolo Antonello, de Les origines de la culture (2004), organizou Nenhum Brasil existe (2003) e À roda de Machado de Assis (2006), além de Antropofagia Hoje? – Oswald de Andrade em cena, volume de ensaios publicado nos EUA em 1999 cuja edição ampliada lança no Brasil durante a Flip.

  João Ubaldo RibeiroJoão Ubaldo Ribeiro nasceu em Itaparica, na Bahia, em 1941. Um dos maiores romancistas brasileiros, é membro da Academia Brasileira de Letras e vencedor do prêmio Camões de 2008. Cursou direito na Universidade Federal da Bahia (UFBA), teve suas obras publicadas em diversos países e – caso ímpar – traduziu para o inglês suas obras de maior dificuldade estilística e invenção linguística: Sargento Getúlio e Viva o povo brasileiro. Na Flip, o escritor relança Um brasileiro em Berlim (1995) e O feitiço da Ilha do Pavão (1997).

  Joe SaccoJoe Sacco nasceu em 1960 em Malta, mas logo se mudou para Austrália e EUA. É reconhecido mundialmente pela confluência de duas linguagens, história em quadrinhos e jornalismo, em reportagens em HQ sobre guerras e conflitos políticos contemporâneos. Suas obras mais conhecidas são Palestina: uma nação ocupada; a segunda parte, Palestina: na Faixa de Gaza e Área de segurança: Gorazde. Sacco recebeu importantes prêmios nas duas áreas em que atua e foi comparado ao americano Art Spiegelman, o único quadrinista a receber o prêmio Pulitzer de jornalismo.

  John FreemanJohn Freeman nasceu em Londres, é jornalista, crítico e editor da revista Granta. Escreve para os jornais The Guardian, The New York Times e The Sydney Morning Herald. Lançou um único livro, The Tyranny of E-Mail (2009), que fala sobre o quanto o e-mail mudou a vida das pessoas e as consequências que isso tem causado. Desde 2007, existe no Brasil a Granta em Português, cujo volume 7 será lançado em junho desse ano. A edição dá voz a novos escritores de língua espanhola como Andrés Neuman e Pola Oloixarac, também presentes na 9a edição da Flip.

  José Miguel WisnikJosé Miguel Wisnik nasceu em São Vicente (SP), em 1948. É professor de literatura brasileira na Universidade de São Paulo, além de pianista e compositor. Sua produção literária e artística, sintetizada no volume Sem receita – ensaios e canções (2004), é indissociável das reflexões sobre a música contidas em Coro dos contrários – a música em torno da Semana de 22 (1977) e O som e o sentido – uma outra história das músicas (1989). Seu livro mais recente, Veneno remédio (2008), é uma análise abrangente sobre a identidade cultural brasileira e questões políticas, sociais e econômicas pelo prisma do futebol.

  Kamila ShamsieKamila Shamsie nasceu em Karachi, no Paquistão, em 1973. É autora de cinco romances: In the city by the sea, Kartography, Salt and Saffron, Broken verses e Burnt shadows – este último, traduzido para o português como Sombras marcadas, é o primeiro livro da autora a ser lançado no Brasil. Finalista do prêmio Orange de 2009, o livro foi definido por Salman Rushdie como "um romance cativante, que pede do leitor uma vigorosa reação intelectual e emocional”. Shamsie vive em Londres e colabora com o jornal The Guardian.

  Laura RestrepoA colombiana Laura Restrepo, nascida em Bogotá em 1950, é escritora, jornalista e militante política. Formada em Letras e Filosofia pela Universidad de los Andes, tem livros traduzidos em mais de doze idiomas. No Brasil publicou A noiva escura (2003) e Delírio (2008) e fala na Flip sobre seu romance Heróis demais. Ambientado no período da ditadura argentina, o livro entrelaça as histórias de uma escritora colombiana, que vai com o filho a Buenos Aires em busca do pai, militante comunista argentino que a abandonou grávida para se engajar na luta política.

  Luiz Felipe PondéLuiz Felipe Pondé nasceu no Recife (PE) em 1959. É filósofo, doutor pela USP e pela Université de Paris VIII, pós-doutor pela Universidade de Tel Aviv (Israel). Professor de ciências da religião na PUC-SP e de filosofia na Faap, colunista da Folha de S.Paulo, Pondé é autor de O homem insuficiente (2001) e Conhecimento na desgraça (2004) – ambos sobre o pensamento de Blaise Pascal –, Crítica e profecia: filosofia da religião em Dostoiévski (2003), Do pensamento no deserto (2009) e Contra um mundo melhor (2010), entre outros. Lançará na Flip Para entender o catolicismo hoje.

  Marcelo FerroniMarcelo Ferroni nasceu em 1974, em São Paulo. Jornalista, vive no Rio de Janeiro, atuando como editor da Alfaguara, selo de literatura da Editora Objetiva. Depois de estrear com o livro de contos Dia dos mortos, publicou Método prático da guerrilha, seu primeiro romance, cujo lançamento no Brasil ocorre na Flip. Ferroni põe à prova, com uma pesquisa minuciosa, os métodos preconizados por Guerra de guerrilhas, de Che Guevara, e aponta, com boas doses de ficção, as contradições da prática revolucionária. O livro também já foi publicado em Portugal, e sairá ainda na Espanha, na Itália e na Alemanha.

  Marcia CamargosMarcia Camargos nasceu em Belo Horizonte (MG) em 1955. Escritora e jornalista com pós-doutorado em história pela USP, é autora de Villa Kyrial: crônica da Belle Époque paulistana (2001), A Semana de 22: entre vaias e aplausos (2002) e Entre a vanguarda e a tradição: os artistas brasileiros na Europa – 1912-1930 (2011), entre outros. Escreveu, em coautoria, a biografia Monteiro Lobato: furacão na Botocúndia (1997) e é curadora da obra do escritor. Lançou ainda os romances Micróbios na cruz (2005) e A travessia do albatroz (2007) e a crônica de viagem O Irã sob o chador (2010).

  Michael SledgeMichael Sledge nasceu no Texas, Estados Unidos. O escritor e jornalista vem à Flip lançar seu primeiro romance, The more I owe you. O livro faz um retrato íntimo da poeta americana Elizabeth Bishop, por meio de relatos de sua vida no Brasil e de seu relacionamento com a arquiteta e urbanista Lota de Macedo Soares. Sledge é fundador do projeto Oaxifornia (www.oaxifornia.org), parceria criativa entre artistas e designers dos Estados Unidos e artesãos mexicanos. Divide seu tempo entre São Francisco, na Califórnia, e Oaxaca, no México.

  Miguel NicolelisMiguel Nicolelis nasceu em São Paulo, em 1961. É médico neurocientista, professor titular de neurobiologia e engenharia biomédica e codiretor do Centro de Neuroengenharia da Duke University. Seu trabalho com próteses neurais integra a lista das “10 tecnologias que vão mudar o mundo”, segundo o MIT (Massachusetts Institute of Technology). Foi considerado pela revista Scientific American um dos vinte maiores cientistas do mundo no começo da década passada. Nicolelis também concebeu e lidera o projeto do Instituto Internacional de Neurociências de Natal, na capital do Rio Grande do Norte.

  Paulo Henriques BrittoPaulo Henriques Britto nasceu no Rio de Janeiro em 1951. É poeta, contista, ensaísta e um dos principais tradutores da língua inglesa para o português. Formou-se em português e inglês pela PUC-Rio, onde dá aulas de tradução, criação literária e literatura brasileira. Como poeta, estreou em 1982 com Liturgia da matéria. Depois, vieram Mínima lírica (1989), Trovar claro (1997), Macau (2004) – ganhador do prêmio Portugal Telecom de Literatura – e Tarde (2007). Já traduziu cerca de cem livros de escritores como William Faulkner, Thomas Pynchon e Philip Roth, incluindo volumes de poesia de Wallace Stevens e Elizabeth Bishop.

  Péter EsterházyPéter Esterházy é considerado um dos autores europeus mais importantes da atualidade. Nascido em Budapeste, em 1950, descende da aristocracia húngara e é matemático de formação. Autor de mais de 30 livros, o húngaro já ganhou de mais de 20 prêmios literários, entre os quais o prestigiado Kossuth, em 1996, e o Prêmio da Paz da Associação dos Livreiros Alemães da Feira de Frankfurt, em 2004. Tem publicada no Brasil apenas uma obra: Uma mulher, retrato original e bem-humorado dos relacionamentos. Na Flip, o autor vai lançar Os verbos auxiliares do coração.

  Pola OloixaracPola Oloixarac, nasceu em 1977, em Buenos Aires, e foi considerada pela revista britânica Granta um dos grandes nomes da nova geração de romancistas de língua espanhola. Seu primeiro livro, As teorias selvagens, foi descrito por Ricardo Piglia como "um romance inesquecível, filosófico, selvagem e muito sereno" e foi lançado no Brasil em 2011. Além de escritora, é tradutora e assina artigos sobre arte e tecnologia em periódicos argentinos.

  Teixeira CoelhoTeixeira Coelho nasceu em 1944, em Bauru (S). Professor de política cultural na USP, foi curador do Museu de Arte Contemporânea de São Paulo e atualmente é curador do Masp. É autor de Guerras culturais (2000) e A cultura e seu contrário (2009), entre outros ensaios. Sua obra ficcional inclui Niemeyer (1994), As fúrias da mente (1998), História natural da ditadura (2006, ganhador Prêmio Portugal Telecom) e o recente O homem que vive – uma jornada sentimental (2010). Escreveu os romances Os histéricos (1993) e Céus derretidos (2006) em parceria com o crítico de cinema Jean Claude Bernardet.

  Valter Hugo Mãe, português nascido Angola, em 1971, é escritor, editor, artista plástico e músico. José Saramago o definiu como um “tsunami” literário, depois que seu romance remorso de baltazar serapião ganhou em 2007 o prêmio que leva o nome do Nobel português. Além desse título, seu primeiro romance publicado no Brasil, valter hugo mãe lança na Flip a máquina de fazer espanhóis, considerado o grande acontecimento literário português em 2010.

HOMENAGEADO FLIP 2011 - OSWALD DE ANDRADE



 


Oswald de Andrade (1890-1954) será o grande homenageado da 9ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty. Considerado o mais inovador dentre os escritores do modernismo, Oswald foi protagonista da Semana de 22 e abriu caminhos para grandes nomes como Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto e os poetas concretos.



Além de ter sido um precursor da Tropicália e da “poesia marginal” dos anos 70, Oswald escreveu Manifesto da Poesia Pau-Brasil (1924), Pau Brasil (1925) e Manifesto Antropófago (1928) e introduziu a prosa experimental no país, com Memórias Sentimentais de João Miramar (1924). No ensaio ‘Estouro e Libertação’, de Brigada Ligeira (1945), o crítico Antonio Candido diz que Oswald de Andrade “é um problema literário” e completa: “Imagino, pelas que passa nos contemporâneos, as rasteiras que passará nos críticos do futuro”. “De lá para cá, a obra de Oswald só cresceu em importância, mas também aumentaram as rasteiras que têm passado nos críticos e leitores do presente – com seu teatro orgiástico (decisivo para a dramaturgia brasileira a partir dos anos 60), com o afresco revolucionário do país que ele fez em Marco Zero, com a antropologia de sua tese sobre messianismo e utopia (A crise da filosofia messiânica)”, comenta Manuel da Costa Pinto, curador da Flip.



A homenagem pretende falar também do Oswald da Semana de 22, da Antropofagia e do nativismo Pau-Brasil, mas indo além – mostrando como existe ainda um Oswald a ser explorado, pronto para nos pregar novas peças. “Ainda há muito a explorar sobre este pensador de uma miscigenação sem nostalgia da identidade (bem à frente, portanto, do atual discurso multicultural), o crítico da civilização técnica e, sobretudo, o criador de uma poética que restaura o arcaico para se libertar do passado”, acrescenta Costa Pinto, que faz mais comentários sobre a escolha do homenageado no Blog da Flip. A trajetória do escritor, poeta e ensaísta e o alcance expressivo de sua obra na formação da literatura brasileira são questões que devem garantir a pluralidade do debate nos eventos da Flip dedicados a Oswald de Andrade.



Conferência de abertura





Oswald de Andrade: devoração e mobilidade



Antonio Candido



debatedor

José Miguel Wisnik



Na mesa de abertura da Flip 2011, o maior ensaísta e crítico literário do país, Antonio Candido, discorre sobre a obra e a personalidade intelectual e artística do escritor com o qual manteve intenso diálogo literário e pessoal. A seu lado, o professor de literatura, escritor e compositor José Miguel Wisnik dá sua visão da potência utópica da Antropofagia de Oswald de Andrade.



Mesas em homenagem a Oswald de Andrade





Marco zero modernista

Mais moderno dentre os modernos da Semana de 22, precursor da poesia concreta e da Tropicália, Oswald de Andrade sintonizou as elites da Belle Époque brasileira com o espírito futurista e as contradições político-estéticas que eclodiram com a urbanização do país. Pesquisadores de nossa modernidade histórica e literária mostram as múltiplas facetas do poeta nativista que escreveu painéis romanescos e romances cubistas.



Alegorias da ilha Brasil

Fazendo de sua ilha natal um microcosmo tão grande quanto o mundo, o escritor baiano sintetiza as linhas de força do romance brasileiro: um regionalismo que transcende o momento histórico, alegorias que violam fronteiras de tempo e espaço para apreender as mais candentes questões contemporâneas. Na Flip que homenageia a antropofagia de Oswald de Andrade, Ubaldo fala de uma obra que também reinventou o Brasil.



Pensamento canibal

“Só a antropofagia nos une”, afirma o Manifesto antropófago. O que Oswald de Andrade quis dizer? Que nossa “identidade nacional” consiste em devorar influências externas? Ou que a antropofagia constitui a dinâmica moderna de canibalizações da tradição? A antropofagia define o Brasil ou uma sensibilidade mais geral? São essas algumas questões abordadas por dois estudiosos da obra do autor homenageado da Flip.

terça-feira, 7 de junho de 2011

BOURBON FESTIVAL PARATY



PROGRAMAÇÃO DO FESTIVAL DA JAZZ DE PARATY - 2011
Bourbon2011.jpg
* Dois palcos com shows grátis de dia e de noite
* Buskers Street Band tocando nos dias 18 e 19
* Cinema
* Exposição de fotos nos dias 17, 18 e 19


DIA 17/06 - Sexta-feira
- Palco da Matriz -
21h30 - Roberto Fonseca
23h00 - Richard Bona
00h30 - Funk Como Le Gusta


DIA 18/06 -  Sábado
- Palco Santa Rita -
16h00 - Danny Vincent Blues Band - part. Guippo, Natália Alvi e Marcos Ottaviano
- Palco da Matriz -
21h30 - Miranda Kassin + André Frateschi
23h00 - Playing for Change
00h30 - Erica Falls


Dia 19/06 - Domingo
- Palco Santa Rita -
16h00 - Rhandal Jazz Trio
17h30 - Paulinho Lima & Super Soul - part. Marcio Eiras
- Palco da Matriz - 19h00 - Jane Monheit
20h30 - Oito do Bem
22h00 - Maria Gadú

PROGRAMAÇÃO PROFANA DA FESTA DO DIVINO 2011

F E S T A    DO   D I V I N O  -  2011
LOCAL – PRAÇA DA MATRIZ(Estacionamento)
PROGRAMAÇÃO  PROFANA :

Dia 03/06 – Sexta-Feira
21h30 – BANDA CHAMA MARÉ

Dia 04/06 – Sábado
21h30 – BANDA SACODE A POEIRA

Dia 05/06 – Domingo
21h00 – BANDA BLACKOMMODORO


Dia 06/06 – Segunda-Feira
21h30 – BANDA RAMAN

Dia 07/06 – Terça-Feira
21h30 – BANDA THE HAOLES

Dia 08/06 – Quarta-Feira
21h30 – BANDA EXPRESSO HG

Dia 09/06 – Quinta Feira
21h30 – SHOW DE CALOUROS

Dia 10/06 – Sexta-Feira
21h30 – BANDA BICHO DE PÉ

Dia 11/06 – Sábado
21h30-  SHOW COM PADRE FÁBIO DE MELLO

Dia 12/06 – Domingo
21h30 – SHOW COM GRUPO DE PAGODE MOLEJO